Black Friday ou Blackout?

26-11-2018 10:28

O tema que vos trago hoje, não poderia ser outro. De uma forma mais ou menos enviezada, fui acompanhando as notícias à volta das promoções dos últimos dias e sobretudo dos comportamentos da parte dos nossos consumidores e consumidoras. Não sou contra os descontos. Não são os descontos os responsáveis pela falta de racionalidade nas atitudes e nos comportamentos. Agora, o que é surreal é a falta de bom senso, o ar alucinado das pessoas e os sinais graves de avidez e de soberba. Este é um dos reflexos da sociedade que temos. Mas, caiamos na realidade: não é esta a sociedade que queremos. Pelo menos para mim, não é esta a sociedade que EU quero. Não é esta a sociedade onde gostaria que as futuras gerações vivessem.

O que observei nestes dias foi, entre outras coisas, os pais e as mães com overboards debaixo dos braços. Overboards?! Claro, para as crianças não se movimentarem, ficarem ainda mais obesas e podermos com orgulho passar pelos nossos vizinhos, vizinhas, amigos, amigas e mostrar, ostentar a nova aquisição. Desculpem-me a frontalidade, a provocação e a sinceridade. Claro que as crianças querem mas onde está o nosso espírito crítico e a nossa racionalidade? Não está. Onde está o nosso bom senso para lhes explicar que esse não é um bem que lhes vai acrescentar valor no seu percurso de vida e no  seu desenvolvimento? Façam o favor de as levar a atividades culturais, promovam o gosto pela leitura ou levem-nas a workshops criativos. As crianças não precisam de "coisas", precisam de criar memórias. E...as pessoas adultas também. 

Chamo a isto não um período de Black Friday mas sim, de Blackout: uma perda, um bloqueio de consciências, um apagão. Uma manifestação em massa de uma enorme falta de Inteligência Emocional. Observem o que se tem passado nos EUA, a tão proclamada potência mundial, ícone do desenvolvimento mundial: pessoas a correr, a tirar objetos das mãos uns dos outros e até de crianças, pessoas mortas e feridas?! Uma luta desenfreada por bens superfluos?! Sinais de uma sociedade mentalmente doente. Por favor, afastem-se desse "caminho". Não são esses valores que devem passar às gerações seguintes. Não são estas atitudes, estes comportamentos que fazem de Portugal, um país cívico e de boa referência mundial.

"Em terra de cego, quem tem um olho é rei". Tão sábios os nossos provérbios. Nada mais certo. Vale a pena pensar nisto.

"Aprender a ser pessoa, é talvez a aprendizagem mais difícil para cada um." Raul Diniz

 


Contactos

Pieces of Moments