Pastel de Nata...presença intemporal... e o melhor companheiro do café

Assumo que adoro pastel de nata e na hora de escolher um bolo para acompanhar a tradicional "bica" da manhã, é ele que escolho. Existem vários tipos de confeção: com ou sem gosto a limão, de massa mais ou menos folhada, mais altos ou mais baixos. Eu prefiro os parecidos com os originais e lendários Pastéis de Belém: de massa bem folhada e estaladiça, sem sabor acentuado a limão e baixinhos, com um toque de canela. Saibam que, entre um queque (407 kcal/ 100 g) ou o bolo de arroz (404 kcal/ 100 g), o pastel de nata é o menos calórico pois tem apenas 298 kcal/ 100g, o que faz deste bolo um dos com menor densidade energética.

Recentemente o  Business Insider destacou cerca de 50 iguarias mundiais que todas as pessoas devem experimentar pelo menos uma vez na vida e o nosso Pastel de Nata está lá referenciado. Não é por acaso que ele é uma das 7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa (Título adquirido em 2011).

Os pastéis de nata ou pastéis de belém são uma das mais populares especialidades da doçaria portuguesa. Embora se possam saborear pastéis de nata em muitos cafés e pastelarias, a receita original é um segredo exclusivo da Fábrica dos Pastéis de Belém, em Lisboa. Aí, tradicionalmente, os pastéis de Belém comem-se ainda quentes, polvilhados de canela e açúcar em pó.

E de onde vêm os Pastéis de Nata? Em 1837, em Belém, próximo ao Mosteiro dos Jerónimos, numa tentativa de subsistência, os clérigos do mosteiro puseram à venda uns pastéis de nata. Nessa época, Belém e Lisboa eram duas localidades distintas com acesso assegurado por barcos a vapor. Ora a presença do Mosteiro dos Jerónimos e da Torre De Belém, atraíam inúmeros turistas que contribuíram para assim difundir os Pastéis de Belém.

Mas, na sequência da revolução liberal de 1820, o mosteiro fechou em 1834. O pasteleiro do convento decidiu então vender a receita ao empresário português vindo do Brasil Domingos Rafael Alves, continuando até hoje na posse dos seus descendentes.

No início os pastéis foram postos à venda numa refinaria de açúcar situada próximo do Mosteiro dos Jerónimos mas em 1837 foram inauguradas as instalações num anexo, então transformado em pastelaria, a "A antiga confeitaria de Belém". Tanto a receita original como o nome "Pastéis de Belém" estão patenteados.

Como um doce português, o pastel de nata é também bastante comum no Brasil e é muito popular na China, onde chegou através de Macau, no tempo da presença portuguesa. Mas, podemos encontrá-lo em muitos outros cantos do mundo pois onde existem muitos portugueses, existem Pastéis de Nata. Verdade?

 

Contactos

Pieces of Moments